Diretor de "Corra" e "Nós" não tem Interesse em Escalar Brancos para Filmes.

Share:
Ignorante do passado de muitos produtores e atores negros e mulheres, Jordan Peele acredita que está havendo uma renascença de representatividade.
Com Corra! e Nós, Jordan Peele conseguiu a audiência que planeava para às suas produções. Isto colocou-o numa posição confortável neste novo mundo onde os justiceiros sociais dão as regras: "Podes dizer tudo sobre o homem branco, heterossexual, cristão, rico, capitalista..." e  já sabe a cantinela toda, não é mesmo? Pode falar tudo sobre o tal ódio do bem que a gente rica e fina da esquerda festiva de Hollywood sempre aceitará como correcto, pois precisa pagar uma Dívida Histórica.

Durante uma entrevista com fãs em um evento ao Upright Citizens Brigade Theatre, na cidade de Nova York,  o diretor conversou com estudantes (tinham de ser universitários) e justificou sua posição "racista do bem":
“Não que não goste de tipos brancos. Mas  já vi muitos filmes assim antes”.
"Sinto-me em uma posição privilegiada em dizer à Universal que quero fazer um filme de terror que custa US$ 20 milhões e tem uma família negra como protagonistas. E os investidores falarem-me sempre sim."
Claro que  Peele pode fazer o que bem entender, afinal, o dinheiro é dos investidores e o filme, dele. O questionamento não é esse e sim este: "e se fosse o contrário?" Se um roteirista branco dissesse que gostava de trabalhar com atores brancos, de forma "bem humorada". Seria expulso da indústria, ateariam fogo às ruas, ameaçariam-no de morte. Todos os médias entrariam em convulsão (CNN, Washington Post, New York Times, TMZ...) e manchetes apareceriam em todos os jornais. Mas... Isto foi "ódio do bem", apenas. "Não se deve confundir a reação do oprimido com a violência do opressor".

Outro petardo de Jordan Peele foi sobre a tal representação em Hollywood.:

Peele analisa a conjuntura do cinema atual e mostra que o mito da representação em Hollywood foi quebrado diversas vezes nos últimos anos com os sucessos de Corra! Pantera Negra, Mulher-Maravilha e outros. “Uma renascença aconteceu e provou que os mitos sobre representação nessa indústria são falsos”, disse ele.

Como? De repente, os diretores viram uma renascença que não ocorreu antes? O que o pessoal da Blaxploitation estava a fazer nos anos 70? O que Will Smith estava fazendo com Fresh Prince Of Bel Air? Raios! Will Smith foi chamado para ser Neo em Matrix e rejeitou! E o que dizer do maior sucesso das bandas desenhadas dos anos 90, o Spawn, cujo protagonista era um oficial negro do exército? O que Eddie Murphy fez a carreira inteira? O que Wesley Snipes estava fazendo em Blade? PQP! Essa gente se acha precursora de alguma coisa, mas não fez nada senão bajular o ego de meia dúzia de amebas de sites de entretenimento que não conhecem o passado e vivem do lacre instantâneo. Vejamos algo sobre a Blaxploitation:

Atores/atrizes como Pam Grier que se consagraria em Coffy (1973), de Jack Hill e 18 anos depois, em Jackie Brown de Quentin Tarantino, Richard Roundtree de Shaft, o campeão de caratê Jim Kelly que contracenou com Bruce Lee em Enter the Dragon, se destacaram como os principais artistas deste gênero. Shaft, dirigido por Gordon Parks lançado em 1971 com orçamento da MGM, foi o filme que mais se popularizou no gênero. Outros clássicos da blaxploitation também se destacaram, como Sweet Sweetback's Badaaass Song dirigido por Melvin Van Peebles em 1971, Superfly e Trouble Man, de 1972, Black Caesar, de 1973 dirigido pelo consagrado Larry Cohen, Coffy, Blacula e Cleopatra Jones, de 1973, Black Belt Jones, Willie Dynamite e Foxy Brown, de 1974, Bucktown e Dolemite, de 1975, Black Samurai, de 1977, entre outros. Jackie Brown, de 1995, apesar de não ser um blaxploitation propriamente dito, tem forte inpiração nesse gênero.

Muita antes de Jordan Peele falar bobagens, Richard Roundtree em Shaft, fazia sucesso com os clássicos da Blaxploitation. De repende, o passado foi apagado.
Filmes do lacre estão na moda. Apelo a ignorância de jornalistas cretinos, também. Nada como dizer que nunca se fez filmes com atores negros, mulheres e minorias e apagar a história de gente que lá já estava antes mesmo que Jordan Peele abrisse a boca para falar meia dúzia de bazófias para estudantes justiceiros sociais.


Fontes:
https://jovemnerd.com.br/nerdbunker/jordan-peele-nao-tem-interesse-em-escalar-atores-brancos/
https://www.hollywoodreporter.com/rambling-reporter/jordan-peele-says-i-dont-see-myself-casting-a-white-dude-as-lead-us-1197021 
https://www.nytimes.com/2000/06/09/movies/film-review-from-blaxploitation-stereotype-to-man-on-the-street.html?pagewanted=print

Nenhum comentário