Funcionário demitido do Google mete processinho na empresa

Share:

Não há qualquer dúvida de que os demagogos da tolerância agressiva do Google, que transformaram seu RH em um departamento de tiranos do Politicamente Correto, pegaram numa batata quente daquelas de pelar as mãos depois de demitir James Demore, um ex-engenheiro sênior da empresa, por delito de opinião e não por deficit de produção.

As discussões sobre equidade demencial de gêneros nas grandes corporações chegaram aos píncaros da insanidade ao desconsiderar as demandas individuais de homens e mulheres no ambiente de trabalho: homens lidam melhor com coisas e mulheres com pessoas. Esta bem conhecida, documentada e cientificamente comprovada tese nem sequer pode ser dita no ambiente "tolerante" e "diverso" do Google.

Após lançar mão de um memorando denunciando o ambiente de perseguição e as ameaças que os que ousam questionar as políticas do Partido Democrata americano sofrem ao expor seu ponto de vista (entre eles, ser contrário a agenda feminista de 3a onda), Demore foi demitido da empresa sem mais delongas, com um outro hipócrita memorando  escrito por Danielle Brown, diretora da área de diversidade do Google:
“[...] defendemos uma cultura na qual aqueles que têm pontos de vista diferentes, inclusive políticos, sintam-se seguros de poder expressá-los”.:
Mas o tiro saiu pela culatra: 4 renomados especialistas em psicologia defenderam a tese evolutiva de Demore, que é cientificamente acurada e até parte do mainstream esquerdista da imprensa americana, como o CNBC, parece não ter ficado muito lisonjeado com a demissão dele. Pra piorar, o maior site da alt-right americana, o Breitbart, está pegando pesado no pé do Google e ameças de boicote começaram a surgir.
"O autor do ensaio do Google sobre questões relacionadas à diversidade obtém quase toda a ciência e suas implicações exatamente corretas", declarou o professor da Universidade Rutgers, Lee Jussim. "Seus principais pontos são os seguintes: 1. Nem a esquerda nem a direita obtêm a diversidade completamente correta; 2. A evidência das ciências sociais sobre viés implícito e explícito foi sobrevendida de forma selvagem e é muito mais fraca do que a maioria das pessoas parece perceber; 3. O Google, talvez involuntariamente, criou uma atmosfera autoritária que sufocou a discussão dessas questões estigmatizando qualquer um que discordasse como um intolerante e instituiu políticas autoritárias de discriminação reversa; 4. As políticas e a atmosfera ignoram sistematicamente a pesquisa biológica, cognitiva, educacional e de ciências sociais sobre a natureza e as fontes das diferenças individuais e grupais ".
Por trás da aparente calmaria, reina um ambiente de intolerância politicamente correta no Google.
Mas não foi só isso: Demore disse que estava explorando todos os recursos legais possíveis e que, antes de ser demitido, apresentou uma queixa ao Conselho Nacional de Relações Laborais (NLRB), acusando a administração superior do Google de tentar constrangê-lo em silêncio.Como a situação nunca está tão ruim que não possa ficar pior, as ações do Google caíram quase 2%. Para piorar ainda mais, depois do escândalo, outros funcionários da empresa denunciaram o clima de perseguição que há no ambiente de trabalho quando se discorda das causas tipicamente defendidas pelo Partido Democrata americano: racialismo, feminismo, ideologia de gênero e movimento LGBT.
"Se você não gosta de um candidato ao Partido Democrata ou tem reservas sobre como o Google olha duas vezes "nas aplicações de certos candidatos de minorias privilegiadas ("sub-representadas "), ou apoia a liberdade de expressão ... se é algo que os SJWs não querem ouvir Sobre, seja muito, muito cuidadoso em abrir a boca para qualquer um ". afirmou "Emmet", pseudônimo de um ex-engenheiro perseguido do Google.
O escândalo que envolve a perseguição a funcionários conservadores e libertários  da empresa é o foco de uma série de artigos do Breitbart, chamada Rebels of Google. Onde funcionários secretamente denunciam a empresa por perseguir e intimidar aqueles que têm pontos de vista diferentes.

Em tempo: defendemos o direito do Google de seguir a linha corporativa que quiser, assim como defendemos o direito de seus trabalhadores em se opor a agenda politicamente correta imposta pelo Google sem sofrer represálias e denunciar a empresa nos meios de comunicação que julgarem convenientes.
Após demitir funcionário que se opôs ao politicamente correto, ações do Google despencam.

 Fontes:

http://www.breitbart.com/tech/2017/08/08/former-google-employee-there-are-efforts-to-demote-anything-non-pc-from-search-results/

http://www.breitbart.com/tech/2017/08/08/rebels-of-google-sometimes-you-get-punched/
http://www.breitbart.com/tech/2017/08/08/report-fired-google-employee-james-damore-exploring-possible-legal-remedies/
https://www.cnbc.com/2017/08/07/fired-google-employee-behind-anti-diversity-memo-says-hes-exploring-all-possible-legal-remedies.html
https://jornalivre.com/2017/08/08/google-demite-funcionario-que-escreveu-memorando-contra-ideologia-de-genero/

Um comentário:

  1. Já deixei de usar o Firefox porque a Mozilla perseguia funcionários que se opusessem às sandices Feministas, vou ter que deixar de usar o Chrome também?

    Mas tomara que ele arranque uma bela indenização.

    ResponderExcluir